Dicas

Quanto mais alto a música estiver, melhor?

23 abr, 2021 - Por Eletrônica Apolo
Família reunida

Será mesmo que quanto mais alto a música estiver melhor? Entenda o que ocorre com os sons e com a sua audição quando você escuta uma faixa em um volume mais alto ou mais baixo.

Quanto mais alto a música estiver, melhor?
fonte: oficinadanet.com.br

Você notou alguma coisa de diferente na maneira como você está ouvindo suas músicas nesta quarentena? Está parecendo que as faixas dos álbuns estão com um som mais claro, nítido? Há uma explicação para isso. Quando estamos em nossas casas, é muito provável que teremos um ambiente mais silencioso e consequentemente haverá menos interferências dos sons na música que ouvimos. Este cenário poderá fazer com que você tenda a diminuir o volume da sua fonte de música (smartphones, notebooks, desktops, digital áudio players, tablets). Mas será que a música estar mais alta ou mais baixa influenciará na qualidade dos sons que estamos ouvindo?

Mascaramento de frequências

Pode não parecer ou talvez você nunca tenha parado para notar, mas quanto mais alto o som estiver, menor será a sua capacidade de audição. Parece algo contraditório, mas não é. Quanto maior a média de decibel na música, dependendo do nível, menos você irá ouvir pois ocorre o mascaramento de frequências.

O nosso ouvido possui uma sensibilidade que varia entre 0dB (silencio) até aproximadamente 120dB (som extremamente alto, que chega a causar dor). Quando colocamos um volume que gera 80dB, há uma perda dos sons abaixo de 40dB na música. Quando o som está excessivamente alto, há uma presença maior de graves do que agudos, isso acontece porque os níveis altos de decibel fazem com que as altas frequências (agudos) sejam mascaradas, mas não as baixas (graves).

Curiosidade: A nossa capacidade de perceber mudanças no volume é de 1dB, frações disto não são percebidas.

Quanto maior o volume, mais o som é mascarado e assim perdemos a percepção dos sons mais baixos. Fonte: hyperphysics
Quanto maior o volume, mais o som é mascarado e assim perdemos a percepção dos sons mais baixos. Fonte: hyperphysics

Em contrapartida, volumes mais baixos, entre 20 a 40 decibel, com exceção de sons muito próximos, não sofrem com o problema de mascaramento de frequências. Existem estudos sobre a faixa dinâmica dos diferentes gêneros musicais, onde nos mostra que a maioria possui uma média de 60dB. Músicas mais “calmas” como coral, opera, piano, possuem faixas dinâmicas (dynamic range) máximas de aproximadamente 70dB, enquanto o rock, o pop e o rap, por exemplo, apresentam um DR de 60dB ou menos.

Isso nos leva a crer que não precisamos realmente de um volume alto para escutar as nossas músicas. Entretanto, se levarmos em consideração os ambientes em que ouvimos as nossas músicas, temos que repensar quais os tipos de fones mais adequados, pois poderá haver uma necessidade de isolamento dos ruídos externos (sons indesejados no ambiente) para que seja possível ouvir de maneira confortável e saudável (sem risco de perda auditiva).

A influência do ambiente e o volume em que ouvimos nossas músicas

Dependendo do ambiente em que estamos e o fone que está sendo utilizado, poderá haver uma guerra de volumes. Imagine você em um ônibus ou metrô no centro da cidade com um fone do tipo earbud ou supra-aural (on-ear) aberto. Estas formas de fones não possuem uma boa capacidade de isolamento de ruído passivo e consequentemente, isso fará com que você aumente o volume em seu dispositivo para poder “ouvir melhor”. Consequentemente, com o tempo, isso poderá acarretar uma perda de audição irreversível chamada PAIR (perda auditiva induzida por ruído).

O que é um fone aberto: as cups (conchas) de sua estrutura possuem grades.

Para evitar a disputa de sons para se ouvir às músicas com nitidez, o ideal é utilizar fones que possuam uma alta capacidade de isolamento passivo como fones do tipo circunaural (headphones, over-ear) fechados, supra-aural (on-ear) fechado e in-ears (intra-auriculares ou IEMs). Há também soluções mais eficientes como os fones in-ear custom (CIEMs), que são feitos a partir do molde do canal auditivo da pessoa, proporcionando um alto nível de isolamento.

O encaixe do fone no ouvido é importante para obter o isolamento adequado

Não basta só utilizar o tipo de fone de ouvido correto, é necessário ter em mente que o encaixe do mesmo é primordial para que ocorra o isolamento adequado e assim ajude na audição da sua música e traga saúde auditiva. Por exemplo, um fone in-ear com o tamanho errado de eartip (ponteira, borrachinha) impedirá um selamento (encaixe) correto do canal auditivo (ou meato auditivo externo ou conduto auditivo externo).

A situação piora mais ainda quando se utiliza o fone de ouvido somente de um dos lados. Isso faz com que o volume percebido pela pessoa caia em pelo menos 3dB, além do outro ouvido ficar mais susceptível aos ruídos do ambiente. Consequentemente, essa prática irá induzir a pessoa a aumentar o volume da música, podendo causar danos a sua saúde auditiva.

O dB e o tempo que ouvimos nossas músicas

Há uma relação entre o quão alto é o nível de dB de uma música e o tempo que você pode ouvir álbuns e playlists. O que a OMS (Organização Mundial da Saude) indica é que nunca se ultrapasse a barreira dos 80dB em 40h semanais, que é uma margem mais segura para não haver perdas auditivas. Se uma faixa possuir uma média de 85dB, a pessoa poderá ouvir por 8h seguidas neste nível, mas se aumentarmos um único dB, esse tempo cai em uma hora.

Tabela retirada do anexo N.º1 da NR15. Fonte: trabalho.gov.br
Tabela retirada do anexo N.º1 da NR15. Fonte: trabalho.gov.br

É importante salientar que dependendo da faixa de música que se estiver ouvindo, pode haver picos de decibel maiores que o ideal para se ouvir por longos períodos. Ao ficar exposto a um ruído de 115db, por exemplo, a pessoa poderá ouvir continuamente por no máximo 7 minutos esta intensidade de som.

Como medir o dB do seu fone (ou ambiente em que você está)

Apesar do microfone de um smartphone não possuir uma qualidade ideal para medições como os microfones externos, eles conseguem nos dar uma margem próxima do real. É comum os apps desenvolvidos para a medição de ruídos possuem um erro de 5dB comparado a equipamentos profissionais.
Para tentar medir o nível de dB do seu fone, ou ambiente em que você está, aproxime o microfone o máximo que puder do local onde sai o som. Confira abaixo uma pequena lista de aplicativos que você poderá utilizar para realizar essa medição:

Teste a sua saúde auditiva com o aplicativo da OMS (Organização Mundial da Saúde)

A OMS desenvolveu um aplicativo voltado para aqueles usuários que correm o risco de persa auditiva por exposição continua a altos níveis de dB e para aqueles que possuem algum sintoma relacionado à perda auditiva.